13/01

Pretendo realizar uma viagem internacional até o final do ano de 2021, como está o cenário em relação ao Covid-19?  

 

No dia 11 de março de 2020 a Organização Mundial de Saúde (OMS) elevou o estado de contaminação à pandemia de Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus (Sars-Cov-2). 

São 10 meses desde o início do agravamento do cenário e, apesar de quase 1 ano de pandemia, a conjuntura continua incerta em relação a pontos basilares como a estabilização da pandemia e um “antídoto” que possa atenuar a disseminação da crise.  

Diante desse quadro, como estão as viagens entre países? A recomendação da OMS quanto às viagens internacionais é que sejam priorizadas: “viagens essenciais para emergências, ações humanitárias (incluindo voos médicos de emergência e evacuação médica), viagens de profissionais essenciais (incluindo socorristas de emergência e prestadores de suporte técnico de saúde pública, trabalhadores essenciais do setor de transporte, como marítimos e agentes diplomáticos, e repatriamento.” 

Além disso, o transporte de cargas também deve ser priorizado. Inclusive o comércio já vem enfrentando dificuldades de abastecimento em relação a produtos importados. É comum os relatos em comércios locais informando sobre a escassez de produtos usualmente vendidos e distribuídos.  

Feitas essas considerações e diante do interesse do viajante em realizar a viagem mesmo dentro dessa conjuntura inusitada é preciso levar em consideração os seguintes pontos:  

1. É seguro viajar? Não existe “risco zero” no que se refere à possibilidade de importação ou exportação de casos no contexto de viagens internacionais. Apesar disso, as companhias aéreas tem apresentado protocolos sanitários de funcionamento que garantem a segurança nos voos, com destaque para filtragem contínua de ar dentro dos aviões. O mesmo fizeram os aeroportos e alguns estabelecimentos de hospedagem. A orientação é buscar os estabelecimentos e serviços que possuam selos de segurança.   

2. Posso ser barrado(a) em algum país? Para responder essa pergunta é necessário buscar informações diretamente no site oficial da embaixada do país que se busca visitar. Essas informações são voláteis e variam em relação ao quadro pandêmico mundial. Basta observar que recentemente o reino unido saiu de restrições moderadas para restrições fortes em decorrência da variante do coronavírus.  

Atualmente (janeiro de 2021), a grande maioria dos países da américa do norte e Europa, estão com restrições fortes e as viagens a passeio estão praticamente inviáveis. Alguns países da América do Sul estão com restrições moderadas e é para onde estão se concentrando a maioria das viagens brasileiras internacionais.   

DICA: O aplicativo Skyscanner está monitorando as políticas quanto a viagens em todos os países através de um gráfico online. Caso o viajante tenha interesse em algum país poderá selecioná-lo e receber informações atualizadas.  

3. E os países que eu tiver apenas conexão, devo me preocupar? Sim. A orientação é que  também sejam revistos e analisados os requisitos da política de entrada do país em que realizará conexão, mesmo que não precise sair da área de embarque durante o tempo de conexão.   

4.Posso ser submetido a um período de autoisolamento? Sim. Essa determinação, bem como a quantidade de dias do isolamento, varia em relação ao país de destino. Além disso, o viajante poderá ser submetido a um novo período de isolamento ao retornar ao país de origem.   

5. Posso ser obrigado a realizar um teste de Covid-19? Sim. Países como a França tornaram obrigatório o teste de Covid-19 para viajantes do Brasil e mais 15 países. Segundo o ministro francês, os viajantes deverão possuir um “teste que justifique que não possuem vírus para poder embarcar nos aviões correspondentes”, generalizando assim os testes nas chegadas.   

O Brasil tem sido alvo de restrições entre os países em decorrência do aumento dos casos no país. A falta de uma definição quanto a política de vacinação interna nos deixa em tempos nublados e diante de um cenário de resistência quanto a abertura de fronteiras de outros países em relação ao Brasil. Não obstante, países como África do Sul, Argentina, Bahamas, Bolívia, Chile, Colômbia, Dubai, Costa Rica, Croácia e outros, estão recebendo visitantes mediante observação de algumas orientações.  

Por fim, a orientação que transmitimos ao turista é que avalie de forma minuciosa os riscos não apenas de contaminação, mas também de eventuais despesas que a priori não constariam no orçamento da viagem. A tendência continua sendo explorar o turismo nacional, até para auxiliar as empresas do trade turístico a enfrentar essa pandemia.  

Achou esse artigo útil? Sentiu falta de alguma informação? Manda uma mensagem pra gente. 

:)